sexta-feira, dezembro 29, 2006

Mais-valias?

"Contrataremos 3 a 4 jogadores que serão mais-valias inquestionáveis para o plantel". "Em breve anunciaremos contratações bombásticas". Estas frases foram proferidas pela direcção nas últimas semanas, depois de assumido o fracasso no planeamento da época. Não vejo problemas nisso, errar é humano, e só fica bem a uma direccção admitir os seus erros. O problema vem quando são dadas determinadas expectativas, e na prática vemos um Eduardo, um Matheus e um Ezequias. Já la diz o ditado, e com muita sabedoria que pela boca morre o peixe. Matheus e Eduardo são dois jogadores que certamente trazem o aval de Carvalhal. Ezequias parece-me um jogador de bom nível para o Beira-Mar, mas sejamos honestos: nenhum destes elementos é um reforço bombástico ou uma mais-valia inquestionável. Pior que isso, não me parece que o problema do Beira-Mar resida na baliza, no centro do ataque ou na lateral esquerda. Compreendo no entanto a opção: quem não tem dinheiro não tem vícios, e como foi dito num comentário anterior, prefiro ver o Beira-Mar daqui a 20 anos numa segunda divisão, do que ter o Clube a jogar mais 2 ou 3 na primeira e a caminhar para a falência. A opção não é fácil, mas o discurso deve ser coerente com a realidade.

quarta-feira, dezembro 27, 2006

"Contratatar SIM mas com CUIDADO!!!"

O actual momento do Beira Mar obriga a que a equipa técnica, que chegou durante o campeonato, tenha que reajustar o plantel e reforça-lo em alguns sectores mais carenciados.
Olhando para o actual leque de opções, ou se preferirem excesso de opções (ainda que sem correspondência qualitativa) julgo que o melhor reforço que o Beira Mar poderá conseguir é o emagrecimento do plantel. Nunca fui apologista de planteis extensos, ainda mais para uma equipa que actua apenas numa competição, sendo essa tão pouco exigente como é o caso da Bwin Liga.

Parece-me claro que o próprio Carvalhal já observou o mesmo e a saida de Farah, Danrley, Diogo Macedo, Catchana e outros que ainda venham a sair até Janeiro, é a prova disso mesmo.

Não me parece que o Beira Mar tenha que contratar assim tantos jogadores como isso, parece-me é que terá obrigatoriedade de contratar bem. Quanto a isso não tenho duvidas que o próprio Carvalhal terá capacidade e conhecimentos para fazer as melhores escolhas.

Dizia o nosso Presidente que as contratações seriam "bombásticas"... não sei o que isso quer dizer, até porque não me parece que o Beira Mar tenha condições financeiras para contratações de jogadores de nível mediano, no entanto julgo que o presidente deverá ter como preocupação a contratação de atletas que actuem no nosso futebol e não entre em loucuras de contratar no estrangeiro porque o tempo de adaptação pode ser fundamental para o sucesso/insucesso da nossa equipa.

A ser verdade noticias vindas a publico como a contratação de Rui Dolores e Matheus, julgo que o caminho será o ideal. Apesar de não serem contratações bombásticas estas darão mais consistência à posição de Médio Ala que me parece que tem sido o grande problema do Beira Mar no que se refere ao sistema ofensivo.

Depois destes casos surgem outras contratações que ainda não estão confirmadas como é o caso de Diogo Valente, Vieirinha, Jorginho ou Fary. Todos eles excelentes jogadores que gostaria de ver no nosso Beira Mar e que já se podem considerar fantásticas, no entanto espero que o Presidente não cometa nenhum erro quanto à gestão do clube que possa comprometer definitivamente o futuro do clube.

Contratações sim... Loucuras não!

Saudações Auri Negras.

Diogo Cardoso

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Feliz Natal

Com ou sem dívida da Câmara. Com ou sem reforços. Com estádio novo ou antigo. Com esta ou com qualquer outra direcção. O Beira-Mar é uma família, e como tal, queremos todos o melhor para o Clube.

A toda a família auri-negra, aqui ficam os nossos votos sinceros de um santo e feliz Natal.

Francisco Dias, Carlos Martins, Diogo Cardoso.

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Que pérola!

Ainda a AG

Gostei de ver a sala do EMA cheia de sócios (cerca de 100) para interpelarem os dirigentes e tirarem as suas dúvidas. Ao mesmo tempo, houve a abertura necessária para que se propusessem soluções ou perspectivas para o futuro. O tema em si foi interessante, e perfeitamente de encontro ao que nós aqui no blog sempre defendemos: discutir o futuro, com uma visão mais lata.

Obviamente que era inevitável fugir à realidade actual, leia-se equipa de futebol, protocolo com EMA e CMA, reforços e logistica dos sócios. Mas tudo dentro de uma elevação que é necessário sublinhar.

No entanto, devo dizer que tenho ficado algo agastado com outras opiniões que não ouvi dentro dessa AG. Nenhum argumento me convence que a AG não é a sede prórpria para discussões ou que qualquer intervenção possa ser desprezada ou vazia de consequencia.

Tudo o que tenho defendido neste blog disse a alto e bom som na AG para quem quis ouvir. Lá onde os visados se podem defender, contra-argumentar, anotar e, se quiserem, seguir. Ficar calado na AG para posteriormente publicar opiniões em blogs não é mais do que falta de coragem para assumir posições. O silêncio só é entendido numa AG como sinal de concordância com o que é dito. O silêncio para posterior publicação de opinião é sinal de falta de respeito para com o Clube e respectivos sócios que democráticamente definiram as suas regras de convívio em sociedade.

"Pensar à Beira-Mar" não se inclui nem se revê em tais comportamentos. Tudo o que aqui é dito pode, é e sempre será corroborado por declarações públicas nos locais e sedes próprias. Sem rodeios nem constrangimentos. Cara a cara, olhos nos olhos. Para o bem e para o mal. Para a crítica e para o elogio. Porque não nos move nem a vontade de protagonismo nem segundas intenções. Apenas o bem do Clube.

Bem hajam todos os que participaram na AG!

terça-feira, dezembro 19, 2006

Impressões pós-assembleia

Antes de mais, importa dar os parabéns à iniciativa. A assembleia geral foi bastante concorrida, o que não era de admirar. As assembleias ordinárias de aprovação de contas são por norma pouco interessantes e apelativas. Debater a situação do Clube numa altura onde os resultados estão longe de ser os pretendidos demonstra uma abertura ao diálogo e o reconhecimento da importância dos associados. Este facto, por si, é de assinalar.

Quanto à assembleia em si, decorreu, conforme salientado pelo Presidente, com elevado nível. As questões mais apontadas foram naturalmente a política desportiva, as condições (ou a falta delas) do novo estádio, a dívida da EMA/Câmara e a relação entre associados e Clube. De um modo geral, a direcção respondeu de forma satisfatória, tendo ficado com a ideia que muitas das limitações que o Clube tem devem-se ao facto de não ter a seu cargo a gestão do estádio. É um facto que isso implicaria um acréscimo de custos e uma diminuição importante da receita, mas permitiria uma maior agilização nos problemas sentidos por todos os que utilizam a infraestrutura. Esse sentimento foi expresso pelo vice-presidente José Cachide, tendo inclusivamente chegado a afirmar a sua vontade em mudar para o estádio antigo. Discordo, e a seu tempo explicarei o porquê.

Foi também reconhecido o falhanço na política desportiva, sendo que o plantel de futebol irá sofrer ajustamentos com a cedência por empréstimo de jogadores jovens, e a contratação de 3 a 4 elementos. Não gostei de ouvir uma frase do vice-presidente Carlos Nuno, quando confrontado com a falta de comunicação e divulgação dos jogos: "Gastar dinheiro a comunicar é gastar mal gasto, principalmente quando não o temos". A comunicação é um vector estratégico fundamental que o Clube de forma alguma pode descurar. O marketing do clube foi aliás criticado por vários associados.

Como resumo, destaco o esforço que esta direcção tem feito para dar a estabilidade desejada ao Clube. É claro que ainda há muito por fazer, mas a solução não passará seguramente pela critica simples a quem vem colocando a sua vida pessoal em jogo para manter vivo o clube. O dogma criado pela anterior direcção de ter deixado o Clube a dar lucro não passa disso. Um dogma.

segunda-feira, dezembro 18, 2006

domingo, dezembro 17, 2006

Tertúlia "Pensar à Beira-Mar" cancelada

O grupo responsável por este blog e pela organização da Tertúlia "Pensar à Beira-Mar", que iria ter lugar no Bar do TA, dia 19 de Dezembro, decidiu-se pelo cancelamento deste evento, aguardando melhor oportunidade para realizar semelhante debate sob outra temática.

As razões prendem-se essencialmente pela definição de uma temática semelhante para a Assembleia Geral do Clube, pelo que julgamos a Tertúlia perfeitamente redundante. Note-se contudo que este facto só sublinha a importância da AG assim como a relevancia da mesma, pelo que vemos por esse meio as nossas intenções de discutir assuntos relacionados com o futuro a longo prazo do Clube perfeitamente satisfeitas, com a vantagem da sua discussão ser em sede e local próprio, revestindo-se da formalidade duma AG.

Esperamos portanto não só a compreensão dos leitores e eventuais interessados em participar na Tertúlia, mas também a presença na próxima AG do Clube, que nos parece revestir-se de importância extrema para o futuro a longo, mas acima de tudo a curto prazo do SC Beira-Mar.

Até segunda no EMA!

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Assembleia Geral Extraordinária

Próxima segunda-feira, dia 18, pelas 20 horas no Estádio Municipal. O tema de discussão será a situação do Clube e perspectivas futuras. Muito haverá certamente a discutir. Eventos deste tipo são de louvar, atraem os sócios ao Clube pelo que deveriam ocorrer com maior regularidade.

Imagem: beiramar.pt

domingo, dezembro 10, 2006

E depois do fim-de-semana

As coisas não correram bem de todo. Mais 3 golos encaixados pelo Beira-Mar, que foi justamente derrotado no Bessa. A situação na tabela em si não me parece o mais preocupante. O que realmente me preocupa é ver a equipa passar a primeira parte (praticamente não vi a segunda) sem jogar futebol. Foram literalmente 45 minutos a despachar bolas para o meio campo do Boavista, e claro que assim não se ganham jogos.

O Fustal também não conseguiu fazer melhor, tendo perdido na sua deslocação ao Cernache por 6-3.

Por fim, a equipa sénior de Basquetebol acabou por justificar o favoritismo, vencendo o Esgueira B em casa por 75 - 54.

Notas:
  1. Costuma-se dizer que os adeptos são muitas vezes o 12º jogador. Parece que neste fim-de-semana os Ultras Auri-Negros foram os únicos que se destacaram pela positiva.
  2. A ler este apanhado real do Pedro Neves com o guarda-redes Todor. É um pequeno exemplo do espírito de grupo que reina no balneário. Simplesmente inacreditável.
  3. Bonita e sentida a homenagem a Pedro Rebelo. Foi bom ver o "Eterno Capitão" de volta a casa.

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Para este fim-de-semana

O destaque deste fim-de-semana vai para a deslocação da equipa de Futebol ao Bessa para defrontar o Boavista. O jogo reveste-se de particular importância dados os maus resultados recentes, pelo que começa a ser de extrema importância começar a amealhar pontos para a manutenção.

Como sempre, os Ultras Auri-Negros encontram-se a preparar a deslocação, pelo que quem quiser acompanhar a equipa poderá fazê-lo através dos contactos presentes neste link.

Já o Basquetebol vai tentar a 4ª vitória consecutiva frente ao rival Esgueira, numa partida em casa no próximo Sábado pelas 21h. A equipa tem vindo a subir gradualmente de produção, estando já a lutar pelos lugares da metade superior da tabela. Para além do jogo, todos os adeptos da modalidade podem marcar presença na homenagem que será feita ao intervalo ao "eterno capitão" Pedro Rebelo. Ele foi sem dúvida um dos rostos mais marcantes das épocas gloriosas do basquetebol auri-negro.

Por fim, o Futsal desloca-se até ao terreno do Cernache com o objectivo de conquistar a vitória que escapou na última jornada em casa frente ao Lamas. Já no domingo, a equipa vai participar num encontro amigável frente ao Esgueira promovido pela Associação de Amigos do Parque, a realizar-se no ringue do parque municipal.

terça-feira, dezembro 05, 2006

Tempos difíceis ( I )

São tempos difíceis estes que se vive no SC Beira-Mar. A equipa de futebol não ganha, o mau tempo não deixa treinar com serenidade e em local próprio, os adeptos estão - e bem - insatisfeitos com o rendimento dos jogadores, o Estádio continua vazio nos jogos, a pressão está no máximo e a classificação do mínimo...

Mas deixem-me que sublinhe bem este ponto: não vou embarcar em ataques cegos à Direcção. Desde o início da época que se sabe da valia do plantel, que não era muita, mas também todos sabiam dos constrangimentos orçamentais. Depois, não nos esqueçamos quem montou a equipa e que de alguma forma cobardemente abandonou o barco no pior momento. O novo treinador pouco pode fazer, e isto aplicar-se-ia a qualquer que fosse o treinador. Desculpabilizo a Direcção por todos estes factos. A sua tarefa é gerir o clube, não é treinar jogadores.

Quando Inácio saiu, escrevi aqui que o Clube provavelmente teria que recorrer a empréstimos de jogadores e que a falta de dinheiro era por demais evidente. Na altura, achei que empréstimos são apenas mantas de retalhos, para resolver problemas estruturais de uma forma conjuntural. Neste altura, apesar de não ter mudado de opinião, penso que a solução vai ter que passar por empréstimos de qualidade, porque a manutenção é absolutamente vital para o Clube. Alias, pouco me interessa se a Direcção agrada a gregos ou a troianos, ou a ninguém, nem tão pouco me interessa quem são os dirigentes. Não são as pessoas, a sua competência ou nome que estão em causa. É o Clube e a forma como o defendem e gerem. E neste ponto, não tenho dúvidas que o fazem da melhor forma que podem e sabem.

E para terminar, querendo acalmar o discurso dos que já tecem ataques à actual Direcção, quero aqui afirmar que instabilidade directiva é tudo o que de momento não precisamos. Não tenho procuração de ninguém, e gosto de opiniar sobre o que bem entendo. E entendo que opinar sobre o Clube atacando a Direcção é o caminho que não ajuda o Beira-Mar. Estarei aqui para criticar tudo o que for criticável, mas não alinho na critica fácil.

Ainda os preços dos bilhetes

O Milan, prevendo uma fraca afluência de público no jogo desta jornada da Liga dos Campeões frente ao RC Lens, decidiu colocar os bilhetes a 1 Euro.

Aqui está uma diferença de um clube gerido para os adeptos.

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Basquetebol: mudança de pavilhão...ao intervalo

Já alguma vez, sabendo do resultado de um jogo de basquetebol ao intervalo, pensou que gostaria de ver a segunda parte? Há uma oportunidade única de o fazer, porque o jogo entre Académico do Porto e SC Beira-Mar em séniores masculinos a contar para a CNB2 está 30-39 ao intervalo, e a segunda parte será jogada em Aveiro, na próxima Terça-Feira.

Tudo se deveu à falta de condições de aderência - a húmidade e a chuva os principais responsáveis - do piso no Pavilhão da equipa do Porto, pelo que o jogo segundo o regulamento será terminado no pavilhão dos visitantes. Mais uma oportunidade de apoiar o basquetebol sénior do Clube a jogar em casa!

domingo, dezembro 03, 2006

A Derrocada

Já jogamos em casa com Aves, Amadora, Setúbal e Belenenses. Por esta ordem. Curiosamente são 4 dos nossos mais directos concorrentes na luta pela manutenção. E de igual forma, curiosamente, desses encontros, apenas vencemos o E. Amadora. Sintomático. E preocupamente.

Sintomático porque o recinto que deveria ser a grande força de base para as vitórias não tem funcionado. Preocupante, porque as jornadas vão passando, os pontos é que custam a aparecer. Pior que isso, as exibições.

De todos os jogos que pude assistir esta época, os primeiros 45min do jogo de ontem foram sem dúvida os piores. Maus demais para serem verdade. Vi uma equipa sem garra, sem brilho e sem brio, amorfa, sem rotinas, sem automatismos. O mais grave: vi uma equipa sem vontade de vencer. Faltou marcação aos homens mais perigosos de um Belenenses sem qualidade, sendo tal por demais evidente no segundo golo. Mais, vi um Belenenses bem mais rápido sobre a bola.

Não gosto de me imiscuir no trabalho do treinador, mas a minha opinião pessoal é que Mário Jardel deve jogar de início nos jogos em casa. Prefiro tê-lo nos primeiros 45 minutos, do que os segundos. Até porque já se percebeu que não é com centros do meio-campo que se aproveita a potencialidade de Jardel.

A segunda parte foi diferente. Muito mais vontade (o puxão de orelhas deve ter sido grande) mas a intraquilidade e a falta de clarividência não deixaram fazer muito mais. O problema é que tivemos sempre que correr atrás do prejuizo...

A posição na Liga bwin é neste momento muito preocupante. Já ouvi muitos falarem da falta de qualidade de jogadores. Sobre isso também não me vou pronunciar. Mas adianto já que quando há falta de qualidade, tal é mais que compensado se houver vontade na generalidade dos casos. E quando há vontade e se joga no limite, então nada há a dizer. Pelo contrário, pelo que já pude observar, há elementos que já estiveram em melhor plano de...esforço.

Claramente a actual situação é o pior que pode acontecer num clube de futebol: vir treinador novo e a situação piorar...

Mas como gosto de ser positivo...espero sinceramente que consigamos todos dar a volta por cima...

Uma palavra para os sócios: assobiaram quando a equipa jogava a passo e perdia (perfeitamente compreensível) mas apoiaram sempre a equipa até ao fim. Todos acreditamos que era possível chegar pelo menos ao empate.