sábado, julho 29, 2006

O ecletismo

Boa análise do Nuno Martins no Bancada Norte sobre o posicionamento do Beira-Mar como clube. Totalmente de acordo.

Eleições à Vista

Parece que o Beira-Mar poderá ter um associado seu (Hermínio Loureiro) no comando dos destinos da Liga. Não posso deixar de manifestar a minha satisfação de ver uma cara nova, ainda por cima do distrito de Aveiro, à frente deste organismo. Não querendo esquecer o contributo prestado pelo Major ao nosso futebol, esta mudança de cara era mais que necessária. Pena que nem todos lhe sigam o exemplo.

Nota: Pelo passado positivo de Hermínio Loureiro no desporto, e até pela sua condição de associado, parece-me que o Beira-Mar deveria estar na linha da frente no apoio a esta candidatura, o que ainda não parece acontecer.

terça-feira, julho 25, 2006

Tempo Extra

Julgo que vale a pena fazer um pequeno desvio na temática deste blog. E faço-o porque de nada vale estarmos aqui a falar de gestão desportiva, contratações, treinadores, etc., quando observamos que as estruturas do futebol desfazem-se a si mesmas. Senão vejamos dois casos, recentes, e emblemáticos: caso Mateus e caso Assis.

Como é possível que, havendo uma estrutura devidamente pensada e com regulamentos próprios, possamos estar à beira do início de uma época sem saber os 16 clubes nela participantes. Como é que podem pedir ao Belenenses e Gil Vicente para prepararem as suas épocas sem estes clubes saberem se vão estar na 1ª ou 2ª liga (desculpem-me mas recuso a usar a designação Bwin Liga), como se fosse idêntico na estrutura de receitas, e por conseguinte, na elaboração de um orçamento anual. Vamos ver como esta rábula digna do melhor episódio do Gato Fedorento termina. Já agora, o patrocinador oficial da nossa liga podia abrir uma aposta dedicada a este caso. Aproveito para lançar as odds:

Quem vai ficar na 1ª liga?

Gil Vicente - 1.80
Belenenses - 2.10
Nenhum - 1.30 (sim, com o nosso futebol acredito que esta ainda seja a hipótese mais provável).

Caso Assis. A meio da época um clube desportivo vê-se impedido de utilizar um activo na competição. No final da época, simplesmente, arquiva-se o caso. Primeira questão: quem indemniza o clube pelos evidentes danos causados numa época? Segunda questão: quem é (são) o(s) responsável(eis) por este facto? Terceira questão: quem devolve a época perdida (e reputação) ao jogador? Por fim, e por ventura a mais importante questão, quem devolve a credibilidade a uma indústria - futebol - que ano após ano vem caindo no gozo e descrédito das pessoas que gostam de ver os tais 11 jogadores a correr atrás de uma bola?

Não será isto tudo incompetência a mais?

Nota: Vejam em quanto tempo a Itália resolveu o Calciocaos, e há quanto tempo andamos com o Apito Dourado.

sábado, julho 22, 2006

Rescisão à vista?

Noticía hoje o jornal desportivo "A Bola", que o Beira-Mar pode estar prestes a rescindir contrato com o recém chegado guarda-redes Todor Angelov. A razão apontada é que o jogador búlgaro apenas fala...búlgaro. A confirmar-se a notícia, parece-me grave que este facto não tenha sido precavido na altura da sua aquisição. Contratar um jogador ignorando características como língua(s) dominada(s) pelo jogador ou perfil pessoal (confliutoso, reservado, etc.) é uma política de gestão desportiva no mínimo duvidosa. Esperemos no entanto, que tudo não passe de um mero rumor.

sexta-feira, julho 21, 2006

Materializar o mediatismo

Pergunta verdadeiramente inocente: já se pode comprar camisolas oficiais do SC Beira-Mar para a época 2006-07 com o nome e número de Mário Jardel nas costas? É que o Rui Costa até Kits já vende...

Liga BWin, aí vamos nós!

Estamos quase a iniciar a nova época de futebol profissional. Uma época que é marcada pelo regresso do SC Beira-Mar ao escalão máximo do futebol em Portugal, este ano chamada de I Liga BWin.

Apesar de grande parte do plantel que conquistou a Liga de Honra do passado se manter no clube (depois uma razia no plantel fruto da política errada com a Stellar Group que ainda teve repercussões esta última temporada...) há reforços para todos os gostos. Mediáticos, como o caso de Mário Jardel, que levou a que inclusivamente o Clube tivesse sido presentiado com várias noticias nas televisões e inumeras paginas nos diários desportivos, incluindo chamadas na primeira página; promessas, como André Leão, numa aposta correcta na potencialidade dos jogadores mais novos; observados, como foi o caso de Ratinho, que depois de vermos a direcção afirmar que "nem pintado de ouro" o queriam e de lermos nos jornais que "Ratinho roeu a corda", eis que aparece no Beira-Mar e ao que parece com excelentes indicações nos treinos e amigável com a rival de sempre Académica; certezas da II Liga, como Wegno; experientes da I Liga, como Emerson, vindo do Estrela da Amadora; entre outros.

Pode não ser um plantel de sonho, nem nenhuma dream team, mas é certamente um plantel equilibrado, bem estruturado e sem loucuras financeiras.. Inclusivamente o treinador Augusto Inácio pode pensar a época atempadamente.

Também, como em outras épocas, o Clube dispõe de um Estádio que apesar de esteticamente de gosto duvidoso, é de elevada qualidade, embora muito devesse ser feito ao nível dos acessos.

Por último, a direcção que conseguiu fazer regressar o Clube ao escalão principal dispõe de toda a confiança de sócios e adeptos, para além de total tranquilidade interna (praticamente não se ouvem vozes discordantes...). Saibam, portanto, manter a unidade que emergiu do sucesso na II Liga, tendo em conta as dificuldades que a previsivel luta pela manutenção vai lançar.

Em suma, o Beira-Mar tem todas as condições para que o sucesso desportivo surja naturalmente nesta nova época. Assim o desejo ardentemente!

quinta-feira, julho 20, 2006

Formação - A Eterna Questão

A abordagem de um tema como a Formação tem que ser feita de uma forma muito directa. A formação não pode ser vista como uma despesa/custo, mas sim como um investimento.
Não faz sentido ver como se perspectiva a formaçao. Faz temer sobre o que poderá ser do Beira Mar num futuro próximo, particularmente no que respeita à formação. Parece acreditar-se que hoje é mais barato garantir jogadores de qualidade duvidosa a custo zero, do que estar a gastar milhares na formação. E desta forma é nitido como ainda se julga a "nossa formação como uma fonte de prejuízo".


Olhando para esta questão como meramente económica, diria eu que ao invés de ser a formação mais uma "dor de cabeça" para o futebol profissional, porque não passar a ser a solução? Ao parar um pouco para pensar eu sugeria pensarmos que o departamento de futebol de formação do Beira Mar tem vivido mais instabilidade nos últimos anos do que o Beira Mar na ultima década. E passo a dar exemplos: o Beira Mar teve dois presidentes nos últimos 10 anos, contrapondo com 3 directores Departamento Futebol Formação nos últimos 3 anos. Conseguirá uma estrutura sobreviver de uma forma pacifica a tantas alterações? De cada vez que muda volta à estaca zero. E também sei dizer porquê!! É que infelizmente não há uma definição da gestão estratégica.

Penso mesmo que a própria direcção não sabe ao certo o que procura da formação. E não vamos ser cínicos ao ponto de pensar que isto vai mudar. Cada responsável do departamento de formação instaura uma nova politica quando esta devia ser definida não de baixo para cima, mas de cima para baixo na sua estrutura hierarquica. O mesmo é dizer que independentemente de quem é o actual Director do Departamento Formação, a politica devia estar traçada pela direcção, mas infelizmente não está, nem nunca esteve.

Sendo assim de que forma é que se poderá obter resultados (leia-se jogadores de qualidade) ?

1- Fazer uma abordagem de investimento para a formação.

2- Definir um plano estratégico de médio/longo Prazo.

3- Seguir exactamente o plano traçado independentemente das pessoas.

4- Saber negociar os atletas na altura mais oportuna e não em momentos de dificuldades de tesouraria.

Apesar de todas as opções menos correctas definidas no departamento de Futebol do Beira Mar, sem sombra de duvida que a equipa já formou atletas de qualidade e não é por acaso que nos últimos anos vários atletas da formação passaram para a formação dos clubes grandes principalmente do Porto. Os atletas deviam no entanto serem "blindados" para no momento certo serem vendidos por valores justo e compensadores para a estrutura do futebol. Para isso é necessário manter e seguir o plano traçado desde o inicio do projecto e pensar que o atleta terá cerca de 10 anos até à maturidade, momento oportuno para lançar o atleta nas equipas principais do Beira Mar e depois de mostrar qualidade ao serviço do plantel sénior (onde se valoriza) vender por os montantes correspondentes.

quarta-feira, julho 19, 2006

Basquetebol (II)

Gostaria de fazer alguns apontamentos sobre o post anterior.

  1. Confesso que o fim do Aveiro Basket me passa totalmente ao lado, porque nunca foi um projecto que me seduzisse minimamente. As pessoas que o conceberam esqueram-se de um pequeno mas importante pormenor: o basquetebol em Aveiro vivia do amor dos adeptos aos seus clubes e da saudável rivalidade existente. Juntar os clubes numa equipa única teria tanto sucesso como criar o Sporting Clube e Benfica.
  2. Nunca percebi a participação de uma autarquia neste tipo de projectos. A Liga de basquetebol é uma competição profissional, pelo que não faz sentido uma Câmara Municipal andar a financiar a actividade. Como é natural em Portugal, foram mal aplicados fundos públicos, e nunca ninguém é chamado á responsabilidade.
  3. Saúdo o regresso do basquetebol do Beira-Mar. Resta saber em que condições, e de que forma a direcção do Clube encara este projecto (custo ou investimento).
  4. De minha parte darei todo o apoio, seja como atleta (que já o dei), seja como sócio.

Basquetebol

Duas notícias sobre basquetebol foram me dadas a conhecer ontem: uma boa, outra (mais ou menos) má (depende da perspectiva).

Primeiro as más. Ao que tem vindo a ser noticiado ( veja-se aqui, aqui e aqui ) o Aveiro Basket parece ter os dias contados ao decidir nao se inscrever para o próximo campeonato da Liga de Basquetebol. Termina assim a sociedade. A grande questão prende-se com a possível liquidação, nomeadamente tendo em conta os 900 mil euros de dívida.

Contudo, este projecto ao que parece, foi sempre visto com alguma distância e diria mesmo indiferença por parte do SC Beira-Mar. Mal ou bem, a política de basquetebol do Clube nunca passou pelo Aveiro Basket. Ainda assim fica a tristeza de Aveiro ficar sem o seu único representante na Liga. Saudosos tempos em que o SC Beira-Mar tinha uma equipa sénior profissional altamente competitiva.

E é com esta deixa que trago a boa notícia. Está cada vez mais próximo da realidade a constituição da equipa sénior de basquetebol do Beira-Mar. Após um ano (e meio) de ausência tudo parece encaminhar-se para seja mesmo tornado realidade o sonho daqueles que nunca abandonaram nem esqueceram aquela que foi uma modalidade exemplar no Clube. Falta ainda - é certo - alguns detalhes (os de sempre...) mas o passo principal já foi tomado. Haja vontade(s) de retomar um caminho de sucesso entretanto perdido desta modalidade maravilhosa que é o Basquetebol.

É sempre bom relembrar a importantissima função social que o Basquetebol consegue nos jovens, percorrendo transversalmente os escalões etários e todas as classes sociais, agregando os jogadores num jogo inevitavelmente de equipa, onde a beleza, a coordenação motora, a agilidade, a estratégia, o espírito de equiopa, a determinação e a inteligência muitas vezes se impõem ao físico. É sempre bom relembrar como o Beira-Mar pode ter um basquetebol de sucesso, isto é, agregando os jovens de todos os escalões, dinamizar a secção e dar os primeiros passos para que possamos chegar onde um dia já estivemos. No topo.

nota: perdoem-me os leitores a forma mais apaixonada como abordo este tema, mas aqueles que me conhecem sabem o quanto amo este desporto...

terça-feira, julho 18, 2006

A Formação

As escolas de formação de qualquer clube de futebol são cada vez mais tidas como fundamentais. A aposta nos jovens como fonte não só de receita no futuro, como principalmente de fornecimento de novos valores e talentos à equipa principal deve ser tida como preponderante. Para mais, é o garante da manutenção da mistica de um clube, do amor à camisola que tantos apregoam, mas que tão raro é nos dias de hoje do futebol regido pelas leis do mercado. O mercado não é o inimigo, não é uma ameaça. É uma oportunidade. E o amor à camisola também é uma variável na definição do valor de um atleta.

O SC Beira-Mar não pode ser excepção a esta lei do mercado e da industria do futebol. A formação e a aposta nos jovens tem que ser cada vez mais uma prioridade. O objectivo deve ser sempre a formação de uma equipa principal formada por um numero cada vez maior de atletas oriundos dos escalções de formação e/ou jovens esperanças.

Nesta perspectiva, a notícia vinda hoje no Diário de Aveiro [não disponível online] sobre o interesse do Marselha num jovem atleta do Beira-Mar é motivo para duplo sentimento: regozijo e alarme. Regozijo porque apesar da fraca produtividade na apresentação de novos valores dos escalões jovens do Beira-Mar na equipa principal, afinal há trabalho de fundo que parece estar a ser feito e a dar frutos. Alarme porque todo este trabalho e o talento que é entretanto produzido não deve ser perdido a meio do caminho. Perder atletas jovens para os grandes clubes deve ser travado ao máximo no sentido de dotar o Beira-Mar dos talentos que possa eventualmente produzir. Obviamente que não se poderá "cortar as pernas" às ambições dos jovens, pelo que a solução tem que passar por lançar cada vez mais o Clube como uma verdadeira oportunidade aos jovens, onde estes saibam que se trabalharem e tiverem talento, poderão um dia singrar na equipa principal. E a equipa principal deve por sua vez encontrar o sucesso necessário para que possa surgir como um desafio aliciante para esses mesmos jovens!

segunda-feira, julho 17, 2006

Super-Mário apresentado em Aveiro!

Foi numa conferência de imprensa mais bem disposta que o normal que foi apresentado aquele que é sem dúvida o nome mais sonante do plantel do SC Beira-Mar para a época 2006-07. É sem dúvida um golpe de marketing bem conseguido (porque Mário Jardel apareceu...) e é também um tiro no escuro (porque Super Mário pode não aparecer...). De qualquer forma, esta questão já foi sobremaneira discutida, pelo que só o tempo pode provar esta ser uma contratação acertada ou não. Certo é que, a crer na direcção, Jardel não irá fazer o Clube desviar de um objectivo de rigor orçamental. Assim esperamos.

Mas uma das maiores vantagens para já da contratação de Jardel parece ser o mediatismo que o Beira-Mar está a ter. Nunca como hoje o clube apareceu tantas vezes nos telejornais e diversos jornais online (e com certeza os desportivos amanhã...).

A comprova-lo, aqui estão várias reportagens sobre este facto, só no sitio MaisFutebol:

Beira Mar: Jardel dispensado do primeiro treino para poder ir descansar
Beira Mar: presença de Jardel ofusca apresentação do búlgaro Todor Angelov
Jardel já encontrou quem lhe oferece uma mariscada por cada golo marcado
Jardel e o regresso a Portugal: «O principal motivo foram as saudades»

De sublinhar desde já a autoconfiança que Jardel demonstra nas palavras (terá que prova-las dentro de campo se o corpo deixar...). Golos é o que promete e não se espera outra coisa dele. Nem mais nem menos.

Mais preocupante, ou pelo menos susceptivel de menor consenso são as palavras que proferiu quanto à parte tactica: «Espero daqui por um mês, um mês e meio, estar na minha melhor forma dentro da área. O treinador disse que ia montar uma estratégia para a equipa jogar para mim. Com uma sequência de cinco ou seis jogos seguidos, acredito que vou recuperar a minha forma física. Só me falta a confiança e o ritmo competitivo. O resto continua comigo».

Repare-se que aqui reside talvez o maior problema, mas por outra perspectiva a melhor oportunidade da equipa: montar a equipa para servir Jardel. Problema se não houver Super Mário, oportunidade se ele realmente aparecer como esperamos. E repare-se que não estamos a falar no campo das meras hipoteses ou cenários, num qualquer exercício de foresight. Não. Estamos a falar de uma equipa que para poder montar-se de trás para a frente a pensar no seu ponta-de-lança tem que o fazer desde o início, inclusive nas escolhas do plantel, pelo que aqui o risco ligado à incerteza quanto à forma de Jardel multiplica-se várias vezes.

É aqui que entra a "chave" Inácio. Só ele saberá como resolver/aproveitar as capacidades de um plantel que esperamos estar à altura das expectativas e necessidades de uma Liga com apenas 16 clubes, ou seja, em termos relativos, maior percentagem de equipas a descerem, mas por outro, maior equilibrio e possibilidade de chegar ao topo. Por isso estaremos sempre ao lado do treinador, porque sabemos das dificuldades que tem que enfrentar, mas também da competência que inequivocamente possui!

Em avante rapaziada!

Será mesmo?

Segundo o site OLN, Mário Jardel já se encontra em Portugal e deverá inclusivamente ser apresentado hoje (segunda-feira) à tarde.

Esperemos que esta seja uma novela encerrada, com o final feliz de uma contribuição positiva de Mário Jardel para o Clube. Que acabe este foco de instabilidade que já levou inclusive a que Augusto Inácio tivesse que tomar publicamente uma posição de força sobre esta matéria, dizendo que "ou vem já, ou já nao o queremos". O Beira-Mar precisa de estabilidade, a mesma que parece ter reinado no estágio que está prestes a terminar.

domingo, julho 16, 2006

Augusto Inácio - Chave do Sucesso?

Depois de observar a equipa do Beira Mar na época passada, era notório que o plantel que subiu à 1ª Divisão estava longe de ter qualidade suficiente para conseguir atingir os objectivos para esta época. Garantida a subida, colocava-se então a difícil tarefa das dispensas, na qual Augusto Inácio tinha um papel fundamental. Várias vezes pensei que o treinador do Beira Mar teria cerca de 14 ou 15 jogadores para dispensar, no entanto nunca acreditei que o conseguisse fazer. Foi nessa altura que tive a primeira surpresa com Augusto Inácio, ao vê-lo fazer uma verdadeira reestruturação da equipa com o objectivo de conseguir uma equipa competitiva na principal liga Portuguesa. Foi uma atitude arrojada e corajosa.
Nesta altura é notório que Augusto Inácio foi o grande responsável pela definição do plantel do Beira Mar para a época 2006/07, situação que não aconteceu no ano anterior, sendo José Cachide o homem que definiu a politica de contratações. Augusto Inácio na época passada apenas foi responsável por trazer alguns jogadores que não impressionaram como foi o caso de Jonathan e Didi, tendo sido dispensados pouco tempo depois de chegarem a Aveiro.
Esta época os atletas vindos do Brasil têm já algum valor no mercado e esperemos que se afirmem da melhor forma no futebol Europeu como é o caso de Ratinho. Quanto a Jardel a duvida continua, e só quando o vir com a camisola do Beira Mar vestida é que vou acreditar que o jogador vem para ficar.
Para finalizar gostaria de referir que Augusto Inácio também nesta situação da "incógnita" Jardel me voltou a impressionar, dizendo que se o jogador não se justificar convenientemente que não fará parte do plantel. Disciplina é palavra importante para o sucesso.

sábado, julho 15, 2006

Será?

Arriscada, é no mínimo como podemos avaliar a decisão da direcção do Beira-Mar em contrar Mário Jardel. Julgo no entanto, haver razões que, à partida, poderão jogar a favor desta contratacção. Em primeiro lugar, estamos a falar do mais notável jogador do campeonato português da última década (note-se que notával não deverá ser entendido como melhor). O número de golos marcados por Jardel são espantosos, mesmo para um avançado de duas das principais equipas do campeonato nacional. Dificilmente outra aquisição poderia levantar tanta curiosidade entre os adeptos portugueses, pelo que seguramente muitos seguirão de perto a temporada do avançado e, por conseguinte, do Beira-Mar.
A principal questão está na forma como o jogador chega ao clube, e essa é uma incógnita que determinará o sucesso da aquisição. Estou em crer que Jardel poderá ser no relvado uma útil mais-valia para a equipa, embora tudo dependa de como Inácio irá conseguir motivar o avançado, e de como este se irá integrar na equipa.

Acreditando eu que o Marketing se assume como uma das principais variáveis de sucesso dos clubes, numa análise à priori julgo ter sido dado um passo correcto. Convém é não esquecer que o principal factor de sucesso será sempre o desempenho desportivo, e que Super-Mário sempre necessitou de uma equipa a jogar para si. Neste aspecto, e até ver, esta equipa ainda parece deixar algo a desejar.

quinta-feira, julho 13, 2006

Reforços - Part III

Foi hoje apresentado pela Direcção do SC Beira-Mar mais um reforço para a equipa de futebol para a epoca que se avizinhar, segundo aqui se pode ler. É internacional sub-21 por 8 vezes e é internacional sub-20 presente no Torneio de Toulon. Assinou por 3 epocas, com mais uma de opção.

Desta feita é André Leão, proveniente do Porto B e do Freamunde, é um médio centro e "tem uma polivalência formidável e é um jogador de grande entrega. Junta a isso uma capacidade técnica e uma leitura de jogo excelentes para a posição que ocupa" diz Nicolau Vaqueiro, treinador do Freamunde, aqui citado.

É com certeza uma política de aposta em jogadores jovens que deve ser aplaudida a esta direcção. Uma política correcta.

O Beira-Mar que queremos ( I )

O SC Beira-Mar é mais que uma equipa de futebol profissional. E esta é uma pedra basilar de toda uma lógica que deve ser vocacionada para um gestão competente e eficaz, que vise em última análise, permitir a sustentabilidade do futebol profissional assim como financiar substancialmente as outras modalidades.

Todos sabemos que gerir um clube não é tarefa fácil. Há demasiados constrangimentos e acima de tudo, demasiadas variaveis exógenas, algumas imprevisíveis e aleatórias, como é proprio do desporto.

Mas nem tudo deve ser feito e deixado ao sabor do vento. É possível tornar viável um projecto desportivo. Não pode é haver visão de mercearia ou pior, falta de visão a longo prazo ou rigor.

Acima de tudo, há que apontar para a rentabilização e viabilidade do futebol profissional, sem necessidade de subsídios públicos nem de injecções de capitais a nível particular. Isto é dificil, e requer sacrifícios desportivos no curto prazo. Mas é o garante de um futuro...

Novela à vista?

Também com esta entrevista a Jorge Silva, O JOGO adianta já o primeiro contra-tempo em relação ao ponta-de-lança brasileiro Mário Jardel.

Próximos episódios a não perder...

Preâmbulo II

É de facto com enorme gosto que vejo iniciado este projecto. Espero que este seja um blog onde todos possam ter a liberdade de opinar e criticar construtivamente.

Com liberdade iremos apontar o caminho que achamos correcto para levar o Beira-Mar cada vez mais longe, um passo mais além. Com muito clubismo, mas acima de tudo, com muita racionalidade.

Carlos Martins
Sócio nº1841

quarta-feira, julho 12, 2006

Preâmbulo

É com muito prazer que me associo a este projecto, pensado no sentido de se criar um espaço onde sócios e simpatizantes possam livremente falar sobre o tema que nos une: o Beira-Mar. Mais que a discussão se o treinador deveria colocar A ou B a jogar, pretende-se recolher as opiniões de quem julga, como é o nosso caso, que o Beira-Mar pode ser mais do que actualmente o é. E isso, vai muito para além de uma equipa de futebol.

Reforço a ideia de não ser posição deste Blog um espaço de oposição a quem, corajosamente, abraçou um projecto difícil como a gestão de um clube desportivo. Estaremos certamente ao lado da maioria das decisões tomadas, mas reservamos o direito de nos manifestar em sentido contrário quando discordarmos do rumo seguido.

Contamos e agradecemos o contributo de todos.

Francisco Dias Sócio 1129

Reforços - Part II


Espera-se ansiosamente no Mário Duarte pela chegada de Mário Jardel, um dos maiores pontas-de-lança a alguma actuar em Portugal. Também um dos mais polémicos e menos consensuais de sempre. Muito mais pelo que fazia fora, do que dentro de campo. Porque dentro de campo, enquanto o corpo deixava e deixou, a cabeça jogava.

Uma aposta de risco é esta agora num Mário Jardel de que ninguém sabe a condição fisica ou psicológica. De que toda a gente sabe não jogar futebol de alto nível há pelo menos 2 anos. Mas de quem toda a gente tem uma secreta esperança que marque muitos golos no novo Mário Duarte.

Veja como a imprensa Brasileira documentou a transferência do Goiás para o Beira-Mar aqui.

Nome: Mario Jardel de Almeida Ribeiro


Data de Nascimento: 1973-09-18

Altura: 190 cm
Peso: 80 kg (??)

Mais uma vez, com a devida vénia ao ZeroZero.pt, aqui fica o percurso profissional de Mário Jardel, que relembr-se, já marcou mais de 180 golos em toda a carreira:


2006/07 Beira-Mar
2006 Goiás (BRA)
2005 Goiás (BRA) / Alavés (ESP) / Old Boys (ARG)
2004 Palmeiras (E) (BRA) / Ancona (E) (ITA) / Bolton (ENG)
2002/03 Sporting
2001/02 Sporting / Galatasaray (TUR)
2000/01 Galatasaray (TUR)
1999/00 FC Porto
1998/99 FC Porto
1997/98 FC Porto
1996/97 FC Porto / Grêmio (BRA)
1996 Grêmio (BRA) / Vasco (BRA)
1995 Vasco (BRA)
1994 Vasco (BRA)
1993 Vasco (BRA)
1992 Vasco (BRA)
1991 Vasco (BRA)
1990 Ferroviário (BRA)

Reforços - Part I


Luciano Ratinho foi apresentado esta Segunda-Feira em Aveiro como o próximo reforço do Beira-Mar.

Nome: Luciano Ferreira Gabriel

Data de Nascimento: 1979-10-18

Altura: 172 cm
Peso: 68 kg

Médio de Ataque, jogando preferencialmente pelo centro do terreno no apoio ao(s) avançado(s).

Há dois anos aqui era descrito como conflituoso. Exige-se portanto pulso firme do treinador para não permitir exageros e excessos.

No site ZeroZero.pt poder-se-á consultar toda a sua carreira ate ao momento.


2006/07 Beira-Mar
2006 Paysandu (BRA)
2005 Paysandu (BRA) / Daejon Citizen (KOR)
2004 Grêmio (BRA)
2003 Juventude (E) (BRA) / Corinthians (BRA)
2002 Corinthians (BRA)
2001 Corinthians (BRA) / Botafogo-SP (BRA)
2000 Botafogo-SP (BRA)
1999 Botafogo-SP (BRA)

Pensar à Beira-Mar

Bem-vindos a este novo blog criado por aveirenses e beiramarenses para discutir e idealizar o futuro do Sport Club Beira-Mar.

Muitos serão com certeza os temas a discutir, sendo que desde o início pretendemos essencialmente levar o Beira-Mar o mais longe possível, sempre enaltecendo e valorizando o clube. Nunca contra o clube.

Pelo Beira-Mar e para o Beira-Mar. À Beira-Mar!